ANÁLISE. Acabou a Copa, ex-técnico do CAP, analisa a desclassificação do Brasil

Para Welington Fajardo, os problemas das copas anteriores é recorrente na Seleção Brasileira

Foto: Agencia Brasil

copa-franca

Os francesas comemoram seu segundo título em copas


Luiz Antônio Costa  Rede Hoje


Com Welington Fajardo


Acabou a Copa do Mundo de 2018. A França venceu a Croácia por 4 x 2 e é campeã da Copa do Mundo da Rússia. Deu a lógica, mas a Croácia jogou mais. O time francês foi aplicado taticamente, apostou na solidez de sua defesa e na eficiência de seus atacantes e levantou a taça. Com o título, franceses se juntam aos uruguaios e argentinos como bicampeões do mundo. O primeiro título foi em 1998, contra o Brasil.  

A pedido da Rede Hoje, Welington Fajardo, técnico do Clube Atlético Patrocinense este ano, faz um balanço da desclassificação do Brasil em 2018(contra a Bélgica), que ele considera, pelos mesmos erros anteriores. Leia:

(Foto: arquivo Rede Hoje)

welington "Essa copa, não foi como nas copas anteriores. Eu não vejo assim um destaque envie individual. No geral, a copa mostrou que o futebol cada vez mais passa ser o jogo coletivo, de competição mesmo. O jogador não pode apenas jogar, ele tem que estar competindo o tempo todo. A copa do mundo mostrou que, cada vez mais, o jogo passa a ser de equipe. Aqueles de esperavam que Cristiano Ronaldo, Messi, Neymar decidiriam agora sabem que isso não vai acontecer mais, porque hoje você está muito difícil de você improvisar. Todo sabe onde marcar. Nenhum destaque individual muito acima dos outros, provando que o futebol passa ser mesmo um jogo extremamente coletivo.

Em meus trabalhos no vestiário, durante a semana, eu sempre peço atenção bola parada defensiva. É uma coisa que eu insisto exaustivamente. O jogo que eliminou o Brasil, o primeiro gol aconteceu numa bola parada defensiva e gol contra do Fernandinho(mbora o jogador da Bélgica tenha raspado no primeiro pau o primeiro).

Na copa passada, em 2014 no Mineirão, o primeiro gol da Alemanha contra o Brasil foi um escanteio pelo lado do Marcelo e gol do Miller. Bola parada defensiva.

Antes, em 2010, fomos desclassificados pela Holanda da mesma forma, dois gols de parada defensiva. Um de uma falta lateral e outro de escanteio.

Em 2006, perdemos a decisão para a França, de novo, de bola parada defensiva. Uma falta lateral, Zidane cobrou Henry fez o gol.

Em 1998 fomos desclassificados também pela França. O primeiro gol foi de cabeça de Zidane. Bola parada defensiva.

Em 1982, para fechar a tese, perdemos para Itália quando o empate nos daria a classificação(estava 2 a 2) e Paulo Rossi fez 3 gols. O terceiro saiu num escanteio pelo lado do Júnior. Gol numa bola parada defensiva.

De 1982 até hoje(quando não fomos campeões) praticamente em todas as vezes que fomos eliminados, saímos porque tomamos o gol decisivo em bola parada defensiva.

No jogo desta copa, o Brasil perdeu para a Bélgica da mesma forma. Fazendo um scout rápido:

Definindo chances criadas: Chances que foram criadas mas foram concluídas com baixo grau de dificuldade para o goleiro realizar a defesa, ou seja dentro da sua área de ação.

Definindo chances efetivas: Chances que foram criadas que exigiu defesa do goleiro com performance de alto padrão ou o gol não saiu porque houve um erro técnico na finalização.

Definindo chances eficazes: Chances que foram transformadas em gol.

Então, temos que estudar a história tática, porque fomos eliminados pelo menos umas 6 vezes parada defensiva. 

Analisando o jogo decisivo da Copa da Rússia, que França venceu a Croácia por 4 x 2, a Croácia teve mais posse, mais escanteio, mais passes certos e a definição da jogada? Que chute exigiu do goleiro da França o item 2 chances efetivas? Praticamente nenhuma. Só o gol"


GuiaFacil-banner-686x113