TROCA.Demitido, executivo de futebol do CAP cai atirando e diretoria já contratou substituto: ex-presidente do paranaense Cascavel.

O substituto, Elson Vieira - “Kiko”, que chega em Patrocínio ainda na madrugada desta sexta feira, foi presidente do Cascavel

Foto: Renato Oliveira

pedro capital 107 3Pedro Henrique saiu disparando farpas contra alguns diretores do CAP, mas só citou nominalmente os que o apoiaram


Da redação da Rede Hoje


O empate de 0 x 0 com o Uberlândia no Parque do Sabiá, não foi bem digerido pela diretoria do Clube Atlético Patrocinense. O profissional que ocupava o cargo de executivo de futebol do clube, Pedro Henrique, foi demitido. Ele ocupava desde novembro de 2019. Pedro Henrique saiu disparando farpas contra alguns diretores do CAP, mas só citou nominalmente os que o apoiaram.

 

substituto de Pedro Coelho, é Elson Vieira - “Kiko”, ex-presidente do Cascavel, clube do futebol paraense e amigo presidente do CAP, Marcão, que chega em Patrocínio ainda na madrugada desta sexta feira

 

Demitido, Pedro Henrique contou à Rede Hoje que na madrugada desta quinta-feira, 30 de janeiro, chegando de Uberlândia, se surpreendeu com a notícia dada pela Rádio Difusora de que havia sido demitido. Segundo Pedro Henrique nenhum diretor havia lhe comunicado sobre a decisão e que a emissora já divulgava e de nem mesmo uma nota com o desligamento ter sido enviada para a imprensa.

 

O ex-executivo de futebol do CAP, esteve na tarde desta quinta-feira no “Capital Esporte”, programa da Rádio Capital 107.3 FM. No programa Pedro Henrique falou sobre sua saída. Segundo o profissional, alguns dirigentes de futebol precisam se qualificar para estar a frente de um clube como o Patrocinense.

 

Pedro fez questão de destacar o apoio que teve do presidente Marcos Antônio da Silva e do diretor financeiro, Fúlvio Eduardo Barbosa e Reginho. Disse que teve pouco contato Maurício Cunha. Sobre outros, ele sugeriu que eles se preparem melhor, “fazendo um curso de gestão de futebol. Pagar em dia e dar condições de trabalho é função de qualquer empregador, no futebol não é diferente e no CAP eles pensam que fazer muito, fazendo o básico”, provocou.

 

Técnico Pressionado. Questionado pelo jornalista Luiz Antônio Costa se o técnico Thiago Oliveira está pressionado, Pedro Henrique revelou que “desde quando chegou a Patrocínio ele é contestado por alguns diretores” e explicou que a pressão se fortaleceu ainda na pré temporada, desde o jogo treino contra o Carmelitano.

 

De acordo com o ex-executivo de futebol, “a diretoria do Patrocinense alegava que não poderia gastar com melhores amistosos devido aos custos de viagens e por isso tive que agendar jogos contra times de menor potencial técnico como os dois times de Monte Carmelo e o Unaí” justificou.

 

Também afirmou que alguns diretores (sem citar nomes) tentam escalar o time, indicando nomes à comissão técnica e destacou que existe muita vaidade dentro do clube. “Pra mim eles têm o receio de perder o comando do clube”, disse Pedro Henrique que ainda acredita que veículo de comunicação (rádio) é priorizada por uma parte da diretoria.

 

A rescisão foi feita ainda na noite desta quinta-feira. Pedro revelou ainda que vai trabalhar na base do Fluminense do Rio de Janeiro.

 

kikoNOVO EXECUTIVO DE FUTEBOL, KIKO, CHEGA NESTA SEXTA

 

O novo executivo de futebol do CAP foi presidente do Cascavel, no Paraná

 

O Patrocinense agiu rápido e nesta quinta-feira contratou o substituto de Pedro Coelho. Ele é Elson Vieira - “Kiko”, que chega em Patrocínio ainda na madrugada desta sexta feira, porque tem muito trabalho e que conhecer o clube.

 

Talvez, Elson Vieira, tenha sido contratado pela experiencia, por que foi presidente do Cascavel(Futebol Clube), de onde se desligou por motivos pessoais sem atrito com o restante da diretoria. "Não estou conseguindo conciliar com os compromissos pessoais", afirmou Kiko em entrevista a Catve, em 7 de janeiro de 2016, quando deixou o cargo.

 

Durante o tempo que esteve na presidência conseguiu levar o time para a elite do campeonato Paranaense em 2015, após ser campeão da divisão de acesso em 2014.

 

Kiko, que é amigo do presidente do CAP, Marco Antônio Silva - “Marcão”, trabalhou também na Ponte Preta e Catanduvense, no interior de São Paulo e no Corumbaense, entre outros.


Quintal